O ensino superior e a convergência educativa

Contenido principal del artículo

Fernanda Araujo Coutinho Campos
Fernando Selmar Rocha Fidalgo

Resumen

Este artigo apresenta os argumentos de uma proposta de doutorado que objetiva analisar as modalidades educativas – presencial e a distância – no ensino superior e as possibilidades de convergência entre elas. Por meio de metodologia de caráter teórico documental, foram analisadas as políticas públicas brasileiras para o ensino superior elaboradas entre 1996 e 2011, nas quais foram buscadas referências aos fundamentos teóricos para a efetividade dessa modalidade no país e à noção de convergência na educação. Entre esses documentos, destaca-se a Portaria 4.059/2004. Tal análise, somada ao diálogo com diferentes teóricos, pretendeu responder às seguintes questões: porque se torna emergente uma proposta de educação da convergência? Quais foram as principais mudanças promovidas pelas políticas públicas brasileiras nos últimos anos em relação ao ensino superior? Como a EaD se constituiu no Brasil? Quais as possibilidades da educação da convergência? As questões anunciadas são parte de um raciocínio em construção, que pretende discorrer teoricamente sobre a convergência de modalidades no ensino superior e que, para tanto, pretende descortinar suas várias dimensões (legal, institucional, comunicacional, conjuntural e a educacional).

Detalles del artículo

Cómo citar
Coutinho Campos, F. A., & Rocha Fidalgo, F. S. (2015). O ensino superior e a convergência educativa. EDMETIC, 5(1), 165-176. https://doi.org/10.21071/edmetic.v5i1.4021
Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Fernanda Araujo Coutinho Campos, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutoranda da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Fernando Selmar Rocha Fidalgo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professor adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Citas

BRASIL (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf
BRASIL (2004). Portaria n. 4.059, de 10 de dezembro de 2004. Regulamenta a oferta de carga horária a distância em disciplinas presenciais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/nova/acs_portaria4059.pdf
CASTELLS, M. (1999a). A sociedade em rede. 6a ed. São Paulo: Paz e Terra.
CASTELLS, M. (1999b). O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra.
CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. (2013). Disponível em: http://www.andifes.org.br/wp-content/files_flutter/1379600228mercadante.pdf
CENSO EAD. (2013). Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil 2012. Curitiba: Ibpex.
JENKINS, H. (2009). Cultura da convergência. 2a ed. São Paulo: Aleph.
SERRES, M. (2013). Polegarzinha: Uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituições, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
SIBILIA, P. (2012). Redes ou paredes: A escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto.
TARCIA, R. M. L., y CABRAL, A. L. T. (2010). Implantação de 20% a distância nas instituições de ensino. In A. L. Carlini & R. M. L. Tarcia. 20% a distância e agora? Orientações e práticas para o uso de tecnologia de educação a distância no ensino presencial (pp. 17 – 26). São Paulo: Pearson Education do Brasil.
TIFFIN, J., y RAJASINGHAM, L. (2007). A universidade virtual e global. Porto Alegre: Artmed.
TORI, R. (2009). Cursos híbridos ou blended learning. In F. Litto & M. Formiga. Educação a distância: O estado da arte. São Paulo: Pearson Educacional do Brasil.