Mensuração de metabólitos de cortisol nas fezes como um indicador de estresse em bovino de corte

A. M. Mobiglia, F. R. Camilo, J. J. R. Fernandes

Resumen


O estresse causado pelo manejo, transporte e outros agentes estressores, é uma rotina em sistemas de produção de bovinos de corte. Esse estresse pode gerar impacto econômico devido à redução da produção e da qualidade do produto final, além de ameaçar o bem-estar do animal que está inserido neste sistema. A situação de desconforto faz com que ocorram modificações fisiológicas, morfológicas e comportamentais aos animais. As alterações endócrinas e metabólicas são resultados dessa tentativa de manter a homeostase. Portanto, compreender os hormônios envolvidos na situação de estresse (atividade eixo hipotálamo-hipófise-adrenal) e seus metabólitos nos fluídos e nas excretas é uma forma de detectarmos o estresse animal. O método invasivo, como a concentração de cortisol no plasma sanguineo é uma forma de monitoramento do estresse bastante questionada, uma vez que, esse hormônio aparece na corrente sanguinea logo após a situação de estresse e desaparece em curto prazo, de modo que o manejo para a coleta de sangue pode ser estressante ao animal o que provavelmente pode mascarar os resultados. Nessa linha de pensamento, surgiu a necessitade de estabelecer métodos não invasivos para monitorar a atividade adrenal em resposta ao estresse, como por exemplo, a mensuração da concentração de metabólitos de cortisol nas fezes de animais.

Palabras clave


Atividade adrenal. Bem-estar.

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


DOI: https://doi.org/10.21071/az.v63i241.587

Enlaces refback



Copyright (c) 2014 Archivos de Zootecnia



DESCARGA NUESTRA APLICACIÓN PARA SMARTPHONES

Haz click y sigue las intrucciones

Aplicación Móvil y Shorcut para Apple

Copyright

Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Editorial

UCOPress. Cordoba University Press (UCOPress Editorial Universidad de Córdoba)

ISSN: 1885-4494